sábado, 28 de dezembro de 2013

Amor, não esperes pelo novo ano....

Sejamos sempre crianças
Não amor.....não é o novo ano que muda a nossa vida
O calendário não é nada mais do que uma ilusão
Vivemos sempre a adiar...amanhã vou ser feliz,mas amanhã, pode nunca chegar...
Não amor...não esperes pelo  novo ano, para  me sorrires....para me abraçares
Se tens algo a dizer-me...diz-me agora!
O tempo não pára amor...e não é o amanhã que traz a nossa felicidade....ela sempre esteve aqui !
Não a ignoremos...esperando que ela venha no novo ano...ela pode cansar-se da espera...e adormecer para sempre, dentro de nós.( e morrer na praia)
Beija-me como se o tempo parasse...não,não ligues ao tempo,é uma ilusão...ele existe para nos confundir.
O tempo está sempre no presente!
Responsabiliza-te pela tua felicidade, e eu pela minha,e juntos a felicidade é mais...muito mais!
Não descanses à espera de um novo ano...esperando um motivo para seres feliz....se-o agora!
Descarreguemos as bagagens que nos pesam...sejamos sempre crianças!
Deitemos fora as velharias que só nos incomodam....esqueçamos palavras ditas á toa
As feridas sararam amor, não as esboraquemos...as cicatrizes enfeitarão a nossa história...nada mais!
Ontem já foi....passou....amanhã será um novo dia,mas pode não ser para nós.
É hoje amor,é hoje o momento de ser feliz!
Não te acomodes, não esperes....não há datas...há momentos!
O maior fazedor de felicidade és tu..e eu...e nós!
Escuta o teu coração...ouve o que ele te diz.... age!
As páginas da vida são escritas momento a momento...escreve um livro colorido,tu és o protagonista da tua história,és o escritor,és tu quem lhe dá o conteúdo...nele ,eu sou quem tu quiseres!
Mas lembra-te amor...foi eu quem quiz entrar na tua história,na condição de lhe dares um final feliz
A dado momento, continuamos a escrever juntos o mesmo livro... e eu,continuo a querer uma história colorida!
Não acredites na frase  (ano novo, vida nova) a cada momento a vida é nova...e não a cada ano!
Sai da tua zona de conforto....não me olhes..vê-me!
Não me toques....sente-me!
Não fiques parado...abraça-me!
Não esperes...ama!
Não cries expectativas...age!
Eu farei o mesmo, e verás que será sempre ANO NOVO E VIDA NOVA!

R.M.Cruz



sábado, 21 de dezembro de 2013

“O MUNDO DAS PALAVRAS”




No interior de cada um,há um universo de palavras
Palavras escondidas, amedrontadas, esquecidas, violadas
Palavras sem nexo outras tremendamente conectadas
Palavras acorrentadas, loucas esvairadas, palavras que matam
Há umas que adoçam, outras que mimam
No interior de cada um, há um labirinto de palavras
Que procuram ansiosamente a saída, para a destruição
Para o protesto, para a resignação
Há palavras adormecidas, outras escondidas
Há palavras amortalhadas, emparedadas
Há palavras simplesmente esquecidas
E foram as palavras que me conduziram
Ao interior dos  teus olhos, pé ante pé quase a medo
Entrei a fundo no interior do teu jardim
Encontrei  tesouros escondidos, vi amores perdidos, amores inacabados
Amigos feridos e resgatados
Vi feridas abertas, cicatrizes marcadas, vi dores encobertas, por   falsas risadas
Vi crianças por nascer, um horizonte longínquo
Vi um louco a morrer, vi um velho faminto, vi alguém a dizer, coisas que  eu sinto
Vi chaves e portas, janelas com grades, vi anéis de piratas
Vi anjos e demónios, e sonhos guardados, vi esperanças perdidas
Vi  trincheiras vi soldados….
Quando por fim, terminei a missão, vi que estava perto do teu coração
E ao chegar abriu-se a portada, vi uma rosa azul, de vermelho regada
Saí como entrei, pé ante pé, mas trouxe comigo o amor e a fé
R.M.Cruz




segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Sabia-te ao frio....

Olhei o banco de jardim e reparei em ti
Nos pés trazias uns sapatos rotos
Por onde pude ver nitidamente os teus dedos nus
O olhar vago........fixando o vazio da multidão
Numa das mãos seguravas uma flor murcha
Não sei bem que flor era, pareceu-me um bem-me-quer
Ou seria um mal-me-quer?
Noutra mão uma  bengala, que me pareceu ser um cabo de guarda chuva
Semicurvado no banco de jardim ...com o queixo apoiado na bengala
Apertando com toda a força a flor, como se a flor fosse um filho, que não querias deixar ir
Ali estavas tu....sentado no banco de jardim
O sol já não aquecia...era o entardecer de uma tarde tardia...
Observavas aquelas pessoas que passavam por ti, olhavam-te mas não te viam
Cada um ia apressadamente para suas casas
Para o aconchego do lar e da familia
E tu ali...apenas olhando o vazio da multidão vazia
E eu? eu...passei por ti, igual a todos os outros, com uma diferença apenas,olhei e vi-te!
Mas não fiz nada, maior o erro, ver e não agir... olhar-te e não intervir
Aproximei-me , e dei-te uma moeda,vá comer uma sopinha quente, foram as minhas palavras
Para minimizar os meus remorsos, de ser igual à multidão... iguista!
Tu agradeceste,olhando-me nos olhos,com uma ternura indescritivel 
Vim para casa, os remorsos não me deixaram dormir....a cama não era quente...ainda via o teu olhar no meu.
Sabia-te ao frio
Sabia, e não fazia nada!
E dei comigo a chorar, mas as minhas lágrimas de nada te valiam...tu precisavas do meu abraço
De uma cama quente, de uma familia...
Merda! que mundo cão!
E eu faço parte dele...deste mundo que olha e não vê...e dos que vêm e nada fazem.
Apercebo-me agora, que a flor era um mal-me-quer
Sim, um mal-me-quer
Não sei se serei digna de perdão....por certo,tu mal deste por mim, nem sei se comeste a sopa quente...
Mas eu dei por ti
No dia seguinte voltei ao jardim...queria ver-te, queria saber de ti, o teu nome, se tinhas familia.
Mas....tu já lá não estavas.
Serei eu a ter que me perdoar....serei eu a ter que seguir em frente.
R.M.Cruz




domingo, 24 de novembro de 2013

Porque é domingo

Domingo...a casa está quieta...os anjos dormem
Na minha alma, dançam borboletas de esperança
Porque é domingo.
As minhas mãos aprimoram-se para os carinhos
O meu coração abre-se para o amor
Os anjos ainda dormem...porque hoje é domingo
A casa prepara-se para abrir as portas...mais anjos vão entrar
Todos se levantam, para os receber
E  todos juntos  dançamos a dança da familia
Numa coreografia de alegria, amor e afetos
As  gargalhadas dos anjos,ouvem-se na rua
O povo pára, e escuta
E por certo dizem.... aqui, mora gente feliz!
Custa-lhes entender, como é que numa casa pobre, existe tanta felicidade
Um dia saberão porquê
Com as agulhas do tempo,a vida borda, mais uma ruga no teu rosto
E em mim, mais um cabelo branco se estende na minha cabeça
Eu olho para ti, e tu para mim.... silêncio....as nossas bocas apenas se abrem para sorrir
Os nossos olhos entendem o momento
E os nossos corações já sabem o fim da história
Em breve, muito em breve...o tempo tecerá um manto branco na minnha cabeça
E abrirá rugas profundas no teu rosto
Ambos sabemos que a nossa missão terminou
Domingo....os anjos continuam a cantar e a dançar
Nós observamos, com a alma em silêncio
E em silêncio, agradecemos á vida por tudo o que ela nos deu
As nossas mãos tocam-se, frias, como o frio ,que se faz sentir lá fora
Mas o nosso coração está quente,como quente está a nossa casa, com a alegria dos anjos
Olhamo-nos por entre as gargalhadas dos anjos, e tentamos eternizar o momento
Pois sabemos que será o nosso alimento, em dias de solidão
Lá fora ,ouvem-se passos desconhecidos....de um mundo, que neste momento, não é o nosso.
Porque o nosso mundo, está aqui, dentro da nossa casa.


R.M.Cruz





segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Particulas de verdade....

Num mar de palavras vãs
Navego com algemas na alma e cegueira nos olhos
Num barco de sonhos.....mas com um coração que se esqueceu de sonhar
De que serve o barco, se não sei que o tenho?
De que servem os sonhos, se não me lembro deles?
Deceparam-me as asas....não consigo voar
Deram-me mãos, mas de que servem, se não sei remar
Estou cega, nada mais vejo para alem da penumbra
Neste mar de palavras....navego sem rumo
As palavras levantam-se contra a minha vontade
São  bocas gigantes
E quanto mais me afasto, mais elas se erguem
Não há nada a fazer...elouqueço neste mar
Onde a vontade já não é minha...onde o querer deixou de existir
Rendo-me á minha loucura
Mentalizo-me que sou tudo o que os outros querem
E mato a minha fé, de quem eu quero ser
Já não sou anjo...deceparam-me as asas
Já não sou livre...algemaram-me a alma
Já não sei sonhar...esqueci-me.
E neste mar de palavras já não navego...apenas flutuo na minha loucura
Sou o que todos querem que eu seja
Sou o que não quero ser
Necessito urgentemente que o meu barco naufrague, para que eu morra!
Preciso de ir ao fundo....é urgente morrer!
Necessito de forças, para afundar o meu barco...ou então lançar-me borda fora
Um barco de sonhos, para nada serve,com um capitão que não sabe sonhar
Capitão morto....barco á deriva
Irei ao fundo do mar.....darei o meu corpo aos peixes...e a minha loucura também
A minha alma desintegrarce-á em particulas de verdade...renascendo num novo mar
Um mar de luz...onde as palavras não imperam sobre os sonhos
E onde as bocas se fechem aos julgamentos....e se abram apenas para glorificar
E onde os sonhos pairem sobre as nossas cabeças....para que nunca nos esqueçamos deles
Aí......serei o que eu QUISER!
R.M.Cruz





















sábado, 16 de novembro de 2013

Acordei de um sonho....

Dormia e...fui despertada por um leve beijo....
O beijo que me fez acordar de um sonho
Caminhei para os meus tempos de menina, e revi-te
Eras para mim como uma Lua cheia
Cheia de sonhos e de ilusões, cheia de magia e de sorrisos
Talvez um pouco longe para ser tocada...alcançada...uma lua, no céu infinito
E eu não era mais do que uma criança que sonhava que um dia iria viver em ti
As crianças têm sonhos mágnificamente mágicos....e eu acreditava!
O tempo passou e não estagnou...a vida foi vivida
E o sonho com a Lua foi-se desvanecendo, até ser completamene evaporado no cantinho dos sentimentos
Até porque a Lua era inatingivel
Mas a Lua não gostou da minha desistência....e quando eu dormia o meu sono da vida
Ela acordou-me com um doce beijo....
E fez-me voltar a sonhar...
Já não sou menina... fiz-me Mulher e a Lua já não é inatingivel, porque desceu á terra para me beijar
Não há impossiveis para quem não tem medo de sonhar
A distância geográfica passou de um Universo infinito, para uma folha de papel
Um lápis que risca um pequeno fio, entre a mulher e a Lua
Uma vida que cabe no esboço de um papel
...um amor tão grande que se estende entre a Lua  a terra e o tempo
Esquece-mo-nos que para o amor não existe barreiras, nem espaços nem tempos, nem idades, nem sexo, nem nada!
Lua, lua....vivo em ti....não sou a menina de outrora, mas sou a mulher de hoje
Não sei se serei tua para sempre,mas sei que o amor não desiste de quem tem a coragem de sonhar...mesmo que os sonhos pareçam impossiveis.
Não percamos tempo...é tempo de ser feliz, antes que as sombras do destino, amarrotem a folha de papel...e o sonho não se realize.
É tempo de ser feliz, antes que a chuva da maldicencia,molhe a folha de papel e deixe os riscos completamente ilegiveis...
É tempo de ser feliz, antes que a fogueira das vaidades, incendeie a esperânça da menina e da Lua
É tempo de ser feliz,antes que a borracha da inveja, apague para sempre o nosso sonho de papel.
É tempo de ser feliz,antes que venha o vendaval da sensura, e espalhe o nosso sonho a ponto de ele se desintegrar nos ares....
Vamos sonhar...antes que venha o passado e nos leve para sempre o presente!
Porque o futuro....o futuro faz parte do sonho.

R.M.Cruz


quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Hoje....

Hoje vou caminhar descalça....sentir a terra em meus pés
Vou correr nua na  praia...na frescura das marés
Para poderes ver-me melhor, num olhar de mel e jasmim
Serei tua ao relento, e tu serás  só para mim
Hoje vou dar um abraço...a alguém que está triste
Vou estreitar-me num laço, de um amor que ainda não viste
Mudarei o teu mundo, farei um mundo melhor
Entre braços e abraços, entre fogueiras de amor
 Hoje vou beijar meu chão, minha terra onde nasci
Vou abrir meu coração, vou olhar só para ti
Vou correr para te abraçar, desvendar o meu segredo
A força do meu abraço, vai esmagar o teu medo 
Hoje vou procurar um amigo, reforçar nossa aliança
Vou brincar na rua contigo,vou voltar a ser criança
Lançarei o meu pião, na corda do meu saber
Levarei teu coração, ás montanhas do bem querer
Hoje vou gritar ao mundo,  a nova forma de amar
Sem correntes nem amarras, e sem nós para desatar
Só com laços de esperança,com ternura e bem estar
Hoje vou libertar a alma, numa corrente de amor
Numa nuvem de carinho, numa chama de calor
Para me sentir livre, e no teu coração voar
Visitar os teus sonhos, nas tuas águas navegar
Hoje vou ser a sereia, dar-te sonhos de magia
Vou embala-te em meus braços, adormecer-te em melodia
Sussurrar ao teu ouvido, as novas de um novo dia
Hoje vou caminhar nas rosas, que dos espinhos, não sei
São pétalas de amor profundo, que no regaço trarei
Para perfumar teu coração, de um aroma infinito
Pinta-lo de todas as cores, para ser o mais bonito
Hoje vou buscar a lua, e traze-la só para ti
Vou pinta-la de outra cor, um  azul que eu escolhi
Dançaremos ao luar, envoltos de azul celeste
Os meus lábios vais beijar, o beijo que nunca me deste

R.M.Cruz

domingo, 27 de outubro de 2013

Pássaro ferido...

Há um silêncio pela casa.....parece vazia...
Apenas se ouve o respirar das almas inquietas
Que dormem o sono dos injustos
Atormentadas, até pelo próprio sono
A chuva bate na vidraça, e as nuvens tentam entrar pela janela
Olhar negro e sombrio
Elas tomam formas pavorosas
Gigantes negros erguidos no céu
Monstros de sete cabeças
O sono agita-se...ninguém dorme descansado
Por entre as gotas grossas de chuva, um pássaro bate com força contra a janela...cai ferido no chão
Mais um alma atingida, mais um espirito que se inquieta
Mais um pássaro ferido, mais uma alma desfeita
A chuva cai incessantemente, ninguém vê o pássaro...porque ninguém tem olhos
Ele ergue os olhitos moribundos, pedindo socorro
Mas a sua voz sai silenciosa...como silenciosa está esta casa
Ninguém o ouve...ninguém o vê....
Pobre pássaro!
Ao longe um gato encaminha-se para ele, o pássaro sabe que chegou definitivamente o seu fim
Melhor assim....vai ser comido de uma vez,  vivo!
Engano seu!
O gato passa por ele, com as suas garras afiadas...sacode-o, mudando-o de lugar
Deixando-o  mais ferido e a descoberto....desinteressado....foi-se embora.
Nada mais resta ao pássaro, senão ficar ali á espera que o seu sangue gele
E que o seu coração petrifique para sempre...
As formigas já estão a postos, organizando o seu batalhão...em breve o pássaro deixará de existir
E os gigantes e mosntros, assistem a tudo...com um riso de escarnio
Mais um pássaro que morre...mais uma alma inquieta
E a chuva abranda, agora que o pássaro morreu...
A casa agita-se, há ruido em todas as direções....só agora se aperceberam
Que um pássaro morreu.
Acordar, foi tarde demais!
Já as formigas carregam o seu cadáver....
Em breve, muito em breve, ninguém mais se lembrará do pássaro.

R.M.Cruz

 


sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Ama-me ao luar....

Uma hora...duas horas....meu coração a palpitar
Eu não sei porque demoras, tanto em voltar pro lar
Já vai para as três e meia, meu coração não aguenta mais
Coitadinho já receia.....meus gritos pelos beirais
O relógio bate as quatro, não consigo adormecer
Está frio o nosso quarto...já receio o amanhecer
São cinco horas em ponto...a minha alma já sente
Que o coração está tonto....e que a cabeça lhe mente
Cada minuto que passa...conta o meu pobre coração
Que pressente uma desgraça....ou uma desilusão
A cabeça já me diz.....fala sempre o que  ela quer
Que ele não era feliz....e foi para outra mulher
E o coração tão zangado...rasga-se em altos ais
Grita com a cabeça...não te posso ouvir mais!
A cabeça aterdoada...com o coração aos gritos
Não se importa com mais nada....e não evita os atritos
O relógio marca  as seis....e a porta não se abriu
Já arranco os aneis...e tudo o que ele me deu
Vou decidida ao roupeiro....pronta para me ir embora
O coração pede clemencia.....o destino marca a hora
A cabeça mantem a calma....mas diz-me com todo o furor
Porque rasgas tanto a alma....se ele tem outro amor
O amor feito em pedaços...ajoelha-se no chão
Por favor pensa em mim... e neste pobre coração
A cabeça ri de contente...a decisão está tomada
E grita-me friamente...não podes fazer mais nada!
O relógio bate as sete....o sol começa a raiar
Não ouço passos na rua...não há meio de chegar
Olho o céu pela janela....no jardim um girassol
A lua não foi embora....também esperou pelo sol
Sinto a parta a abrir....ele chega na madrugada
Só me apetece fugir...não quero saber de mais nada
Mas o corpo não me obedece....todo ele é desejo
Corro para os seus braços....e arranco-lhe um beijo
Ele abraça-me com força...e chama-me seu amor
E somos um do outro...mesmo ali no corredor
Os seus beijos sabem a mel... seus abraços a confiança
O seu corpo é meu batel... seus olhos minha bonança
Esqueço a noite fria...esqueço as horas crueis
Esqueço a cama vazia...esqueço a furia e os aneis
Aconchego o coração....a tua caricia me acalma
O meu berço é este chão...onde adormeço a alma
É domingo meu amor......deste chão avisto a lua
Fecha as portas e as janelas...vem ser meu e eu serei tua
 A lua despede-se do sol.....mas não se podem tocar
Não podem fazer amor...e a lua sai a chorar
Feliz de quem ama, feliz de quem sente
No chão ou na cama, no corpo ou na mente
Sinto no seu abraço...que eu sou a outra mulher
Sou sua amante e amiga, sou tudo o que ele quiser
Cai a chuva miudinha......regando a minha alma nua
Confiança no meu peito...são as lágrimas da lua
O sol dança na chuva....entrelaça-se com amor
Beija as gotas de água....fingindo que beija a flor
Ele sabe que a lua....chora para ele a beber
Bebe a seiva dos seus olhos...provocando-lhe prazer
Fiquemos até ser noite....ama-me á luz do luar
Como se eu fosse a lua...e tu o sol a brilhar
Tu és o sol que beija.....e me aquece até queimar
O meu corpo é o jardim...eu sou a lua a chorar
E assim nestes inigmas...de amores tão proíbidos
Grita o céu e grito eu....e gritam em nós os sentidos.

R.M.Cruz















domingo, 20 de outubro de 2013

Gosto de pessoas....

Gosto de pessoas...






Gosto de pessoas que dizem o que sentem olhando dentro dos meus olhos
Gosto de pessoas que não têm medo de tomar decisões, que não se acomodam á espera dos outros... e não desistem, mesmo que as decisões não dêm os frutos pretendidos.
Gosto de pessoas que sorriem quando têm vontade, e que não fazem nenhum sacrifício para evitar as lágrimas.
Gosto de pessoas que explodem quando vêm injustiças e que não se calam quando ouvem dizer mentiras
Gosto de pessoas que não têm receio de mostrar e demonstrar que somos humanos e que dentro de cada um está o bem  e o mal.
Gosto de pessoas que admitem o erro, e que pedem desculpa, mas que não usam a desculpa  para desculpar o erro.
Gosto de pessoas que alimentam a alma ,com o amor que dão....mas também com o amor que reecebem, porque o amor é partilha.
Gosto de pessoas decididas na conquista dos seus  sonhos, e que não desistem frente aos primeiros obstáculos.
Gosto de pessoas que evoluem, mudam de opinião, mudam de partido, de casa, de marido...mas não mudam de amigos.,,,continuam a cativar  novos sem nunca descuidar dos "velhos"
Gosto de pessoas que conquistam pelo olhar...e depois disso tornam-se eternamente responsáveis
Gosto de pessoas que enfrentam dificuldades...sem se tornarem vitimas.
Gosto de pessoas que abraçam um amigo seja homem ou mulher sem receio, porque a amizade não tem definição de sexo... é como o amor!
Gosto de pessoas que se preocupam, contigo, comigo, com os animais e a Natureza, gosto de pessoas que se preocupam com a TERRA!
Gosto de pessoas que libertam a criança que trazem dentro do peito
Gosto de pessoas genuínas, únicas verdadeiras, que conseguem aceitar uma critica, um conselho, uma palavra, sem se acharem" menos"
Gosto de pessoas que não têm receio de mostrar que são românticas, sem se acharem lamechas.
Gosto de pessoas que dançam na chuva, que se emocionam com um filme,um gesto, um mimo, que adoram cantar aos ventos, e que gritam a liberdade...
 Gosto de pessoas que NÃO são politicamente corretas, que não mandam, que fazem.
Gosto de pessoas que gostam de aprender, sem que isso lhes tire a responsabilidade de ser também professores.
Gosto de pessoas que não fazem o" frete" para me agradar e gostam de mim pelo que eu sou, mas têm a abertura de me dizer que eu estou errada
Enfim.....gosto de pessoas! gosto de ti, de mim, dele, de vós de nós....gosto do ser humano, porque no bem e no mal, tenho um pouco de cada um...

R.M.Cruz

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Gosto de azul...

  Gosto de azul....
Azul como a cor do teu olhar quando fixas o mar....e como as gotas de orvalho pela manhã refletindo o céu.....
Azul como as tuas lágrimas, mãe, quando em noites de inverno a tempestade destruiu a nossa casa, mas pela manhã morreram as nuvens e céu nasceu nas águas dos teus olhos, deixando o sol aquecer o teu sorriso.
Gosto de azul...
Azul como como as tuas vestes pai, quando de negro te enterraram, e tu despiste  o corpo e libertaste a alma ,numa explosão de azul celeste.
Gosto de azul....
Azul como como a tua amizade... que de sorrisos se pinta, e de abraços se transforma, e de mimos transborda, nos dias em que as minhas lágrimas rolam e os teus beijos as encaminham para a limpeza da alma....
Gosto de azul...
Azul como o teu amor....que me busca na escuridão dos meus sentidos e me resgata para a margem do sonho, levando-me ao vale da esperânça, onde a lua cheia, é sempre azul.
Gosto de azul...
Azul como o teu cheiro a inocencia...a tua pele aveludada, e o teu sorriso cristalino como a água que corre da nascente da montanha e leva todos os meus  medos para lá do que é visivel.
Gosto de azul...
Azul como a força dos teus abraços....que  me apertam até extrair o podre que há em mim,  levando-me ao profundo do meu ser, arrancando as raízes secas e moribundas.
Gosto de azul...
Azul como o momento  em que nos enlaçamos e de dois corpos unidos fizemos uma vida e depois outra e outra...azul como dia em que me rasgaram o ventre, e de dentro de mim nasceram três rosas azuis, que de azul pintaram a minha vida.
Gosto de azul...
Azul como a minha raiva...quando enfrenta
injustiças, e lhe tocam no bem mais precioso....os filhos.
Azul como  a tua alma....que quando se abre saem pássaros azuis em plena liberdade...com mensagens de renovação para o mundo.
Gosto de azul...
Azul como o mundo que eu pinto, com sorrisos da cor do céu, e abraços da cor da lua, e fartura da cor do mar, e cheiros da cor terra...onde a fome não existe, e os povos falam a mesma lingua, e os barcos no mar navegam em águas calmas, onde o carrocel das emoções fazem vibrar de alegria todo o universo, e as crianças, correm livres sem medo do papão, e os velhos são a sabedoria do lar, e os casais são a própria casa, e as familias são flores viçosas, em roda da mesa, e a casa é onde habita a alma, e a alma é o jardim do mundo...
Gosto de azul...

R.M.Cruz


quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Um tempo que nunca será meu...

Há um vazio em mim..de tudo o que não conheço
Algo que quero e não sei
Algo que quero e não faço
Mas se quero, não sei o quê, não sei se é bom, ou se é mau
Sei apenas que não se vê
Será que é uma  ilusão?
Mas estar vivo é uma ilusão.
A vida é como uma bola de sabão, que voa linda e colorida
E de repente....puf... evapora-se no ar
Quem a admirava...logo a esquece...e continua...outra bola colorida
Outro puf...outra vida
E é assim por diante...diante de nada que é nosso
Somos bolas de sabão....alegres e coloridas, voando nos jardins da vida
Admiradas por umas, e detestadas por outras...
Mas que não haja ilusão, todos somos...bolas de sabão
Umas mais resistentes...subindo mais alto...tentando fugir do puf
Mas uma brisa mais forte, corre para a apanhar e  puf...não há escape possível
A vida é uma  ilusão... como a bola de sabão
E assim... não sei descrever o vazio que há em mim...tanta vida, e tão pouco tempo
Tanta tristeza que rebenta ao vento
Tenho saudades das gargalhadas que não dei...e do sonho que não realizei
Tenho saudades do sol que não vi nascer...e do eclipse que não vi acontecer
Tenho saudades dos tempos futuros, com outros rostos
Saudades de um planeta sem muros....e de uma rosa azul e de um rio dourado
De um arco íris de cores por inventar...e de uma baleia com asas de anjo
E de uma sereia em terra, e de um cavalo no mar
Saudades de tempestades de beijos... e de furacões de abraços
E de desejos cumpridos... saudades de laços
Saudades do beijo que nunca dei, e das palavras que não escrevi...saudades do sonho que não sonhei
Saudades do amor que não senti.
Tenho saudades do tempo que nunca será meu
E da família que não conhecerei...e dos descendentes  que nunca verei
Tenho saudades do que não vivi, e de tudo que não sei
Tenho saudades do que não conheço...do tempo em que não fui
E do tempo que não tenho
Saudades de ir...saudades de estar, saudades de quem não conheço e quero amar
Quero encher este vazio...de tudo o que tenho e de nada que me faz falta
Tudo o que tenho é um buraco cheio de nada...o que me faz falta é nada que tenho
Assim é a bola de sabão...cheia de nada...o nada a faz voar...e tudo a faz rebentar...puf
Sou uma bola de sabão...cheia de nada....
Não é a vida uma ilusão...como uma bola de sabão? puf....

R.M.Cruz




quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Tanta partilha....

Para ti amiga, musa dos meus poemas
Tu que nos dias em que o inverno me açoita a face...
Me aqueces nos teus abraços
Para ti amiga, que és o meu aconchego
Nos dias em que o vento frio... transforma as minhas  lágrimas em gelo
E tu cinzelas nele pétalas de amor
Fazendo-me acreditar, que tudo se transforma
E transforma!
Para ti amiga, em que o fundo do abismo é  a minha meta
E tu mostras-me, que não há metas nesta vida
A não ser vivê-la o melhor possivel
E é verdade!
Para ti amiga, voz da minha razão
Quando o meu coração voa cego, sem ver onde coloca os pés
Numa iminencia total, de destruição
Vens tu com as tuas palavras cortantes, mas sábias...
Arrancar-me do meu estado de embrieguês
E  mostras-me o caminho mais seguro
Para ti amiga, que muitas vezes escondes, o que te vai na alma
Para me preservar do sofrimento
Escondes as tuas lágrimas, para não as juntares ás minhas
Numa tentativa de minimizares a minha mágoa
Para ti amiga, em que a diferença é notavel
Da minha personalidade e da tua
Que tantas vezes entramos em contradição...mas sempre respeitando o espaço uma da outra
Tentamos encontrar um caminho que nos leve ao senso comum
E conseguimos!
Claro que conseguimos!
A amizade faz tudo para caminhar de mãos dadas
Tantos anos de amizade, tanta partilha...os meus filhos e os teus...são nossos!
Para ti  amiga, vai o meu carinho, o meu obrigada!
Por fazeres parte da minha vida!
E por resistires!
Porque a amizade é essencialmente
Resistencia!


Especialmente para a minha amiga  LU!

Um abraço daqueles....


R.M.Cruz



terça-feira, 8 de outubro de 2013

Rendo-me.....

Abre-me a porta, deixa-me entrar
Não aceito a derrota, eu investi para ganhar
Nem sei se quero, terminar a luta
Apraz-me o desejo, e esta vida é tão curta
Desejo de ti, do teu corpo de mel
Abraços de orvalho com sabor a fel
Mesmo que amarga, se torne a vida
Sacarei a lança, lamber-te-ei a ferida



 Quero sentir o teu beijo, na minha boca a correr...
Prefiro morrer de desejo, do que sem ele viver
Atraem-me os teus olhos, no teu rosto a brilhar
São como dois farois, acesos em alto mar
Os teus seios dois nenufares, que da lama se ergueram
Os teus braços minha cama, que de linho se estenderam
As tuas pernas meus segredos, que só a mim são revelados
Os teus cabelos os enredos, na minha boca o teu fado 
Saberei cuidar de ti, dá-me entrada.... hó meu amor
Verás que tenho a cura, seja qual for a dor
Abre-me então o caminho, deixa-me  amor, entrar....
Nunca fugirei de ti...pois amor, vim para ficar
Tira as trancas da porta, dá entrada á vida
 Não julgues todos pela mesma medida
Sou um cavaleiro, de armas em punho
Vim desordeiro, conquistar o teu mundo
Quero vencer, esta luta, respeito os rivais
Saberás quem te ama,e quem te quer  mais
Só tens que dar tréguas, ao  teu coração
Ás vezes é necessário, dar a voz á razão.
Nem sempre o que vemos, é razão para sorrir
Os olhos enganam... tens que sentir
Abre as muralhas, óh linda Senhora
Eu entro rendido, e não vou embora
A luta é dos dois....não há vencedor
Nestas coisas da vida, quem ganha é o amor
Deixa que falem, só teem maldade
Há coisa melhor que a  felicidade?
Vem caír nos meus braços, e no meu coração
O amor não tem segunda opção
Baixemos as armas, entreguemos ao céu
Vem ser minha, e eu serei teu 
Façamos amor, neste mundo de guerra
Esqueçamos a dor, haja paz na terra
O amor começa, nas nossas casas
Voando pelo  mundo.... porque o amor tem asas
Esquece tudo, fecha os olhos, e sorri
Não espantes a  vida, para que ela não fuja de ti.


R.M.Cruz







quinta-feira, 3 de outubro de 2013

O que é o amor?


O que é o amor? É muitas coisas!
O que faz?  Milagres!
Será que só faz sofrer? É necessário aprender a amar ....
O amor é  cego? Tudo é cego.....menos os olhos do amor.
O amor é imprescindivel? Claro em todas as situações da nossa vida!
Há quem morra por amor? Há quem morra de solidão!
O amor muda as pessoas? Enaltece o que de bom há nelas.
Alguém mata por amor? O amor é muitas coisas, menos assassino
O amor constroi-se? O amor semeia-se, nasce e cresce.
É possivel amar e ser livre? O amor é liberdade!
Pode-se amar duas pessoas ao mesmo tempo? Pode-se amar o mundo....
O amor só é verdadeiro se for entre homem e mulher? O amor não tem sexo, mas se existir sexo com amor,perfeito.
Qual é a forma exata do amor? Não há exatidão no amor...ele simplesmente É!
É possivel amar os mortos? Claro,se assim não fosse toda a filosofia do amor, era nula....o amor é um sentimento, não uma matéria.
Também se amam os amigos? Especialmente!!!
E os filhos? Incondicionalmente!!!
E os animais?Aprendemos com eles a amar....
E a nós? Acima de tudo!
E a Natureza? É como amar a Mãe...temos que respeitar e cuidar.
É possivel amar os nossos inimigos? Outra forma de amor....
E amar uma pedra? O amor está nos olhos do coração que vê beleza, seja onde for....
Como é amar os idosos? É preparar o nosso futuro!
E as raças? O amor é unico.
Há amor nas religiões? Se não houver não faz sentido
Temos que amar a Deus sobre todas as coisas? Sim a ti, Deus habita em ti, Deus és tu!
"Amai-vos uns aos outros como eu vos amei" correto? Poucos são capazes
Ser Cristão é amar diferente? O amor está em todos,não há diferenças, Namastê....
E amar a mãe ? É amar a vida!
E o Pai? É amar mais vida....
E a familia? É manter os alicerces fortes!
O amor é ingenuo? O amor é divino!
O amor é sofrimento? É, para quem cria expectativas
E amar uma criança? É amar o amor
O amor julga? Julga-se a si mesmo
Todos teem amor? O amor é um dom, que nasce em todos,mas nem todos o prticam.
E amar quem nos magoou? Amor também é perdão
O amor pode durar para sempre? O amor é eterno.



 Em suma, no meu entender, o amor é sentido de muitas formas, nasce em nós....e cresce consoante, a alimentação que lhe dermos e o cuidado que temos com ele.
Interfer a forma como os outros nos amam? Acho que sim....mas eu creio que se semearmos rosas, não colheremos cactos. De uma coisa temos certeza, as rosas também teem espinhos.
Amar é facil? Não, não é! Isso reflete-se no nosso mundo.

R.M.Cruz






segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Um segredo nosso

Um segredo nosso
A manhã  chuvosa, o dia começa humido
A noite não conseguiu escoar as nossas lágrimas
 Tens que ir amor...não há alternativa...
A partida doi, para quem vai
E para quem fica?
Quem parte, leva na mala a esperança de de um futuro melhor
Quem fica, fica na dúvida, de que esse futuro melhor, seja  pior
Os pensamentos assaltam-me a mente
 E se não te volto a ver? E se não te volto a sentir? Não!
 Não posso alimentar o pensamento, as palavras atropelam-se no meu cerebro
Estão contra mim...o meu coração acelera, a querer sair do peito
Teima em se juntar ao teu...quer deixar-me, ingrato, troca-me por ti
Dá-me o teu corpo....façamos amor até o sol raiar
Leva-me dentro de ti, saciemos a nossa fome, para que nos mantenhamos unidos
Estou confuza amor, não sei se choro de prazer ou dor...
Os nossos sorrisos misturam-se com as lágrimas, como o mar que se enrola na areia
Assim somos nós, num gemido humido de dor e prazer
Lágrimas salgadas dançam um tango com os nossos beijos
E os fluidos dos nossos corpos enroscam-se nos  nossos desejos
É uma noite molhada amor, o nosso leito é um mar salgado
Em que nos afogamos em dor e amor
Entre os teus braços, e as tuas pernas sinto-me bem....quem dera ficássemos assim para sempre
A noite passou tão depressa, eu queria tanto parar o tempo
Mas o relógio acelarado, não cumpriu o seu ritmo....maldito!
Não nos deu tempo de dizermos tudo
Já é dia amor...a manhã está chuvosa
Aliou-se a nós, para que ninguém note as nossas lágrimas
É um segredo nosso.
No aeroporto vou dizer-te adeus com um sorriso rasgado e molhado
Os meus olhos olharão para o céu até te ver rasgar as nuvens...
Volto as costas, e sigo o meu caminho, tu já seguiste o teu.
Com a chuva na minha face, engano o mundo, finjo um sorriso no rosto molhado
E caminho, ergo os ombros,endireito a cabeça, e vou para casa
Não te conto o meu dia amor....não te conto
Pergunta ás nuvens aí no céu, certamente elas te dirão.
O sol não raiou amor.

R.M.Cruz


quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Chega de tristeza!

Vá já chega...ergue a cabeça, limpa as lágrimas.
Deixa que elas levem tudo.....para longe
Deixa que o tempo e a vida se encarregue do resto
Abre a alma e transforma as lágrimas em gotas frescas de orvalho
Deixa o sol dançar por entre a chuva
Despe-te, de tudo o que te pesa, libertata-te das roupas velhas
Vem....
Descaça os sapatos que te apertam, e não te deixam caminhar
Põe os teus pés na Natureza orvalhada e sente a frescura da manhã

Silência os ruidos que poluem a tua cabeça e não te deixam ouvir o cantar dos pássaros
Estende os teus sentidos, e toca em ti, toca na tua alma, toca em todo o teu SER!
Chega de tristeza....há um tempo para tudo
 A tristeza já teve o seu
Inspira..... abre as narinas...deixa entrar a vida....expira...deixa sair o lixo
Sente cada batida do teu coração....OUVE-O!
Agarra na força que ainda tens em ti, e ergue o teu coração ao mundo
Não tenhas medo
O medo faz falta... mas não agora !
Olha para o céu, é no alto que está a luz
Ilumina os teus dias....mesmo que sejam chuvosos, a água é vida!
Vem....
Podes não esquecer, mas tens o poder de" arrumar" numa gaveta, e lacrar!
São águas passadas......já passaram
Banha-te no orvalho da manhã, sente o poder do sol
Aquece o coração...eleva-te mais um pouco
Há um tempo de dizer: basta!
Permite a liberdade dentro de ti
Não mudes por ninguém, porque tu és unica/o... tu, és a flor e não a lama!
Ninguém... a não ser tu, merece a tua mudança, se mudares...muda por ti!
Vem...
Chega de lamentos e de sofrimentos
Chega de esperas sem chegadas...chega de estações sem paragens
E de mares sem ondas, e de rios sem correntes,e de ventos sempre nas mesmas direções
Chega de poços sem fundo, e de labirintos sem saídas
Chega de prisões e de monstros escondidos, e de sonhos estagnados
Chegou a hora de abrires....e de deixar ir....

Vem....
Liberta-te, só tu tens esse poder!

R.M.Cruz

sábado, 14 de setembro de 2013

Mulher da vida

Mais uma noite...sinto ainda no corpo o amargo do beijo que nunca foi dado...
A blasfémia da escuridão nos meus olhos
Talvez a insensatez de uma escolha mal feita
Um gesto imcompreendido, esta maldita necessidade de fazer o que quero, e não quero...
Este vicio que me atormenta e me deixa sobreviver
Não sou mais de que um corpo... instrumento de trabalho
Poderia ser outro trabalho qualquer, todo o trabalho se faz usando o corpo e a mente
Eu uso o corpo e ausento a mente
Vendo sexo
Mas não vendo a alma.
Os homens são como troncos de árvores secas, dentro de mim...evito olha-los nos olhos
Porque por dentro dos olhos há fantasmas, e remorsos....há sombras e solidão
Há um animal que uiva.....na procura da lua cheia...os meus seios são duas luas e dois sois (consoante a necessidade de cada um)
O meu ventre é o pasto verdejante...onde eles se deleitam, onde correm rios de frieza, e correntes de insatisfação.
A entrada do meu corpo, é uma caverna quente, onde eles se aconchegam e se aquecem, para seguir viagem....
Há quem diga que eu vendo amor...
Não, não há amor que se venda
Muito menos o meu
Há quem diga que ganho dinheiro fácil
Não, não é dinheiro fácil....é dinheiro rápido
Tão rápido como a estadia dos corpos deles no meu
Eles (os homens) veem á procura de prazer, mas nem sempre o encontram
Porque é uma mistura de remorsos e sexo.....o que torna o prazer condicionado
Sou uma vendedora de ilusões, quem passa por mim, nem chega a conhecer-me
Entram dentro de mim...mas não me veem...porque eu não estou lá
Nem sabem o meu nome, sou aquela em que despejam toda a sua amargura...
De uma vida sem amor, porque se tivessem amor, jamais pagariam por sexo
Possuir sem ter....
Porque ter, sem possuir, é amor!
E vou caminhando , com as bagagens dos outros, carregando fardos que não são meus...servindo os homens das outras  mulheres....(Não se escandalizem....uma empregada de mesa, não serve também?)
Mulheres que  eles não conseguem possuir, sem ter...
Eu vendo-me para que me possuam....ilusão...sou posse efémera.
Sou apenas corpo, despido de roupagens, e de sentimentos...
Ausento-me por momentos
E deixo o corpo trabalhar sozinho, não sou eu! Todo o pranto fica em mim...
Eu sou como o ator, que despe a alma, para deixar entrar o personagem
Com uma diferença...o ator aos poucos empresta a alma ao personagem, eu só empresto o corpo.
Não, não quero a vossa pena, eu escolhi este caminho...poderia ter escolhido outro...sou como todos, vim ao mundo com livre arbítrio.
Mas quem disse que eu quero outro caminho? Não sou senhora da minha vida?
Pois então....sigo o que eu quero, ou o que não quero (problema meu)
Ouço vozes aplidando-me de tudo....mulher da rua...prostituta....meretriz.... mulher da vida....
Eis o meu nome verdadeiro.
Mulher da vida!
Não sejam hipócritas
E não somos todas as mulheres, mulheres da vida?




Ando por aí.... a ouvir pessoas, com alma e coração.
Esta é uma dessas pessoas.Com todo o meu respeito!

De uma mulher da vida, para outra mulher da vida

R.M.Cruz







terça-feira, 10 de setembro de 2013

Devolve-me os meus olhos

Ergo os olhos para o horizonte, caminho com passos seguros, vou em frente
A minha silhueta é de quem sabe para onde vai
Costas direitas, cabeça erguida, confiante!
Nas mãos levo um cajado, para me dar um ar de guerreira
Por onde passo, todos admiram a minha bravura, todos se curvam à minha passagem
E eu de olhar firme, e passos seguros, agradeço
Mas sabes amor.....tudo não passa de uma pose
Que adotei, para fingir que te esqueci
Finjo muito bem amor....finjo muito bem!
Os meus olhos não veem o horizonte, estão estáticos, ninguém percebe que não os tenho
Os meus passos não são seguros...caminho mecanicamente, dando a ilusão que vou firme
O cajado é uma farsa, serve-me de apoio, para que eu me segure de pé
O horizonte...não o vejo, porque estou cega, apenas busco as tuas lembranças
Nada mais vejo, para além disso
A não ser vazio, e solidão
Não sou guerreira
Sou uma mulher em farrapos
Por dentro de mim, há outra mulher em farrapos, e outra e outra....
Tento  encontrar-me, mas não consigo....não vejo a minha luz, estou cega!
Não sou mais de que uma alma,sem a outra metade
Como posso ver o horizonte amor?
Se tu o levaste de mim
Tu eras a minha candeia, a minha luz, a minha bússola, as minhas asas
Tu eras a minha força,o meu caminho...
Tu eras o meu horizonte!
Agora não passo de um zombi... sem olhos
Caminho em frente, porque não sei para onde vou
A minha postura, é uma falsa ilusão
Não vou segura amor,vou cega!
Sabes porquê?
Porque tu levaste os meus olhos, e é apenas a ti que eu vejo
Devolve-me os meus olhos amor....preciso deles
Para me vestir de vida!


R.M.Cruz 

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Chão cor de carvão


 
Impacientemente vejo as chamas...sinto o cheiro a queimado....e fico indignada

A Natureza grita!!!
Estão a matá-la
E eu nada posso fazer.....o sono não chega...olho a janela e sinto o calor das chamas
A noite não é escura, tem o clarão das chamas assassinas
Que comem as árvores, de tal forma, como se quisessem engolir o mundo de uma só vez
E entre os mastigos do fogo, ouve-se o estalar da morte
A Natureza retorce-se,mas não consegue escapar...não tem pernas, não tem asas para voar
As chamas andam, correm...elas possuem pernas e galgam, esfomeadas levam tudo á sua passagem
Sinto-me impotente, sinto que não sou nada!
Ouço os gritos da Natureza, pela madrugada
Existem Anjos que morrem a tentar salva-la...que dão a sua vida por vidas
As chamas não se compadecem...levam também os Anjos
E os demónios que as lançam?
Onde estão?
Porque não são engolidos por elas?
A manhã chega...depois de uma noite sem dormir...
E com a manhã chegam as noticias
Mais um Anjo que se foi
Mais uma vida ceifada pelas chamas...mais um funeral, mais lágrimas, mais corações a sangrar...
E os Anjos que ficam, não se intimidam com a morte, limpam o rosto, erguem a cabeça e enfrentam as chamas assassinas!
E as familias? Quem as consola? E os amigos quem os acompanha? e a vida quem a dá?
E os filhos? quem preenche esse vazio? que culpa teem eles?
E depois, vem o cenário desolador...onde existia uma linda paisagem verde, existe um monte de sinzas e sombras negras...
Onde existiam os ninhos das aves...existem cadáveres de árvores jazidas no chão
Onde existiam flores silvestres de todas as cores...apenas existe o chão, cor do carvão
E eu na minha casa, impotente, assistindo a tudo isto sem fazer nada
Quem inventou a frase de "querer é poder?"
Grande mentira, eu quero e  não posso.....
Apenas fica aqui o meu clamor...dirigindo os meus pensamentos, para que este tormento acabe, já!
Obrigada Bombeiros de Portugal, Anjos da paz e da vida!



R.M.Cruz







terça-feira, 27 de agosto de 2013

Anjos ou demónios?

Não sei quem sou...de onde vim...para onde vou...
Sei que sou corpo e alma a crescer..
Sinto-me humana....  vim para viver
A terra parece um paraíso em flor
Mas tem tanta gente a sofrer.... com tanta falta de amor
Há muitos caminhos, muitas opções
Há muitos trilhos, muitas confusões
Vejo gente com olhos, sem verem nada
E outros que caminham...com a visão cerrada
Na terra em que estou...há sombras de morte
Há gemidos de dor, há atalhos de sorte
Há velhos sozinhos, abandonados
Há crianças famintas e maltratadas
É um Mundo onde todos parecem iguais
Mas uns são  muito ricos, outros pobres demais
Neste mundo... há um estranho viver
Há uns a mandar...e outros a obedecer
Há uns que trabalham, para se sustentar
E há outros que esperam, para os roubar
Dizem-se irmãos, nas alegrias e dores
Mas uns são escravos e outros senhores
Vestidos de branco vão á igreja...selar o amor
Mas dentro dos lares, há agressão e  há dor
 Tem gente que luta para vidas salvar
Há outros que esperam para as matar
Dizem-se iguais...de leis e direitos
Nada é verdade... só há preconceitos
Há gente com esperança  e fé no olhar
Semeando a igualdade para o mundo mudar
Há gente de bom coração, e de alma a crescer
Há Anjos sem asas para quem merecer
Diz-se uma raça, dotada de inteligência
De sonho e de luta e muita prudência
Não é esta raça.... com toda a certeza!
Que por onde passa destrói a natureza
Há uns que morrem... para a salvar
Há outros que se divertem para a queimar
Não há justiça, não há retidão
Não há igualdade.... é tudo ilusão!
Este mundo, é  um mundo de perigo
Onde o teu semelhante é o teu maior inimigo
E assim neste mundo em que estou
Não sei de onde vim...não sei quem sou...
Quem somos nós  afinal?
Anjos ou demónios? o bem ou o mal?
E se a terra é um paraíso.... porque  impera tanto a dor?
O paraíso  não deveria ser..... um  reino de amor?


R.M.Cruz











terça-feira, 20 de agosto de 2013

O importante é que sejas tu!

O importante é que sejas tu

Não digas nada....
As palavras neste momento de nada servem
Ouve apenas o bater do meu coração
Escuta....e saberás o que ele diz
Não me perguntes a razão da minha tristeza...nem eu a sei
Não, não abras a boca
Podes piorar o meu estado
Eu sei que sou de difícil compreensão....
É assim....mulher é complicada...tem uma alma com muitos recantos
Muitos mares...muitos rios...montanhas inatingiveis
Não, não te aflijas com as minhas lágrimas, são os rios que transbordam, tem que drenar
E os mares de marés altas....que querem galgar as dunas
Mulher é assim...sente e não sabe o quê...chora, ri, canta....
Toda a mulher é bipolar,tripolar.........e por aí fora
Sabes porquê?
Porque em todos os recantos da alma...moram amores e dores
Moram incertezas,verdades por descobrir...
Mora a dúvida,moram passos de medo, e a uma fé que vacila...
Não, não te culpes pelas minhas lágrimas, não és tu que fazes transbordar os rios....
Tu és o meu dique, tu seguras as correntes....se elas galgam, levam tudo á sua passagem
Conto contigo para evitares a catástrofe.
Não, não digas nada....ouve só o meu coração....se o escutares....ele te dirá que tu me fazes falta
Ele te dirá, que tu és a pessoa com quem eu conto sempre!
Ele te dirá...que ás vezes o meu mundo está deserto, e que a dor teima em não me deixar em paz...
Escuta.....em silencio....
Põe os teus braços em volta do meu corpo....deixa-me descansar em ti.
Sim amor, um homem faz falta na vida de uma mulher...não importa que homem
Importa que sejas tu!
Obrigada por estares aí,aqui....comigo,com ela,connosco.....
Lembra-te amor....que uma mulher tem mil almas, e em cada alma tem um recanto, e em cada recanto está um amor...um sorriso...um filho...uma dor...um amigo...um sonho...um desconsolo...uma verdade...uma fé...um abraço...uma partida...um beijo...uma saudade...um desencontro....um parto...uma ausência...um leito...um colo...uma casa....um alimento...uma fadiga...um desencanto...uma ilusão, uma ingratidão...um seio...uma doença...uma perda...uma espera.... uma menstruação....uma menopausa....a velhice...........................e tantos outros recantos..... e ainda tem lugar para TI!
A mulher é a VIDA em movimento...por isso que não sabe porque chora....
Fica.... abraça-me apenas, serena as minhas águas...eu ficarei bem!


É para ti!!!

R.M.Cruz

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Não me peças....

Não, não me peças para apagar da minha vida tudo o que vivemos
Isso é impossivel...é o mesmo que dizer que nada existiu
Que faço com as memórias?
Como se apaga um amor intenso?
Como posso matar-te dentro de mim?
Acaso me perguntas se quero?
Não, não quero!
Fazes, e farás parte da minha vida para sempre!
Como vou justificar os anos que vivemos juntos...como posso saltar grande parte da minha história?
Como posso aniquilar as memórias de um tempo que foi perfeito?
Diz-me tu, que eu não sei....dentro de mim, correm os teus fluidos....para te matar, terei que morrer!
Para acabar contigo, terei que acabar comigo!
A nossa história acabou, mas não as memórias dela
Um livro foi escrito a dois corações, a duas vidas, a quatro mãos,a duas almas!
Como se apaga, uma história de vida numa alma?
Mesmo matando a vida...a alma permanece...deduzo que o amor é eterno!
Como se queima um livro, para apagar uma história? se já foi lido por tantas pessoas, gravado também  nas memórias de outros...
Daqueles que juntamente connosco ajudaram na elaboração de construção de toda a sua edição
Não, não me peças para esquecer uma história em que os dois fomos so protagonistas...deixa-me po-la no arquivo das minhas memórias
Guarda-la como quem guarda um manuscrito sagrado
Como quem guarda uma reliquia de familia
Apenas terminamos um capitulo....
Estou preparada/o para o próximo capitulo.
Agradeço-te por teres colorido o nosso livro, por lhe teres dado vida!
Pelas lágrimas que correram,  pelos sorrisos a cada dia, pelos carinhos, pelas flores no regaço, pelas noites de aconchego,pelos mares de ternura, e pelos sonhos,( alguns não passaram disso ...de sonhos), pelas horas de mau humor, pelos fantasmas vencidos, pela alma lavada, pelas tristezas, pelas duvidas, pelas insertezas, pelos medos, pela aceitação, pela responsabilidade....pela vida!
Não me peças para apagar tudo isto....não amor, não é possivel!
E nesta caminhada....estou certa que nos cruzaremos por aí em qualquer lugar.....e juntos releremos o livro

R.M.Cruz




quarta-feira, 31 de julho de 2013

Pois é amigo......

Uma cidade, uma esplanada, um passo, um sorriso, uma mesa, um café,um amigo!
Uns olhos azul celeste,uma história, um sonho, muitas realidades,uma vida!
Uma manhã de sol,um passeio,gente que passa, alguém que fica,uma conversa!
Uma gargalhada,um olhar profundo,um olé á vida, um pontapé á morte,uma vitória!!
Um cigarro proíbido,uma culpa declarada,uma sentença, um destino, dois corações!
Um desejo,uma espera,um conhecimento,uma vida intensa,um amanhã incerto, a certeza de hoje!

Uma poesia,uma mulher,mil amores,conquistas, perdas, glórias
Pois é amigo......
Hoje contigo aprendi, que para lá do olhar existem tantas histórias por contar
Tantas portas por abrir, e outras tantas por fechar
Tanto mar por navegar, tanta terra por percorrer, tanto caminho por desbravar
Tanta saudade....tanta dor....tanto sofrimento....tanto amor
Aprendi que para além do corpo, existe a dignidade humana
E que os amigos não estão no coração....estão na vida
E que esses teus olhos da cor do céu, já viram o inferno
Aprendi que o coração é apenas o motor do corpo e que dentro dele pulsa o sangue da vida
E que para além disso só serve para os poetas
Aprendi que a fotografia é também a arte de fazer poesia
E que por traz de uns lindos olhos, existe uma história de vida,que não é revelada
Agradeço-te amigo, pela sinceridade com que me abriste as tuas janelas
E me conduziste á sala das tuas recordações
Sentaste-te comigo ao sol da vida, e mostraste-me
Que para ser homem, não é preciso ser viril.... mas audaz
Que para ser homem, não é preciso ter sucesso... mas coragem
Que para ser homem não é preciso ser reconhecido....mas reconhecer
Que para ser homem não é preciso ser glorioso.....mas determinado
Que para ser homem não é preciso  ter poder.... mas ter gratidão
Pois é amigo.....
Mostraste-me que a vida é generosa para quem acredita nela
Que a verdade é crua, mas exata, e que a oportunidade deve-se agarrar
Pois a vida pode não nos dar outra chance
Aprendi que o momento é agora
O presente é a nossa unica certeza....e que a morte é a nossa maior aliada.
Obrigada amigo, nada na nossa vida é ao acaso
E não foi por acaso que nos encontramos.

Dedicado ao meu amigo João Lobo

R.M.Cruz





terça-feira, 30 de julho de 2013

Apaixona-te!!!

Os anos passam amor...o tempo corre como o vento
Ele corre e nós andamos devagar...tão devagar..... 
O corpo não aguenta a corrida do tempo
Fica pelo caminho, velho, e corcunda....
As nossas peles foram esfaquedas pelas rugas
O tempo não nos poupou...e a vida amor, a vida fustigou-nos a memória
E hoje eu olho para nós, e peço-te que não adormeças na vida
Porque o tempo não perdoa
Apaixona-te outra vez
Coloca o teu olhar dentro do meu
Deixa sentir o pulsar desse coração cansado....reaprende a dizer que me amas
Ativa o gosto pela vida....enamora-te
Já te esqueceste?
Procura no fundo da tua memória a tua juventude...revive a tua história
Ergue-te, aprende a sonhar de novo
Sem sonho não há magia
Reacende a centelha de luz, ilumina o amor....tira-o da escuridão
Ama-me como em tempos passados
O amor não morreu...de outra forma não estariamos aqui...olhando-nos
Como se não soubesse-mos o que nos aconteceu
No fundo sabemos.........o nosso amor deitou-se á sombra do nosso coração
E adormeceu.....
Está na hora de o acordar!
Com um balde de coisas novas
Passou muito tempo sem comer...está na hora de o alimentar
Cabe a nós dois, tratar dele...pertence-nos, somos os dois responsaveis por ele
Vamos banha-lo no rio das emoções....para que ele acorde
Vamos alimentá-lo, com gestos de ternura.....torne-mo-nos romanticos para com ele
É isso que o faz feliz!
Ele necessita voltar á vida!
Porque o tempo....envelhece os corpos, mas não envelhece o amor.
Ressucitemos o amor...e com ele levantemos os nossos corpos
Vamos enganar o tempo
Façamos de conta que ainda é cedo....vamos vestir o figurino da juventude...e encarnar a nossa personagem...
Vamos amor, as cortinas abriram, o palco é nosso!

R.M.Cruz 


domingo, 28 de julho de 2013

Leva consigo parte de nós

Quando um amigo parte....leva consigo parte de nós
Leva o nosso olhar preso no seu, leva o nosso coração dentro do dele
Leva os nossos momentos de alegria e felicidade
Os passos que nos aproximaram, já não são os mesmos que se afastam
Quando chegaram, vinham do nada, quando partiram, levaram tanto...
Levaram, caminhadas na beira da praia, subidas aos montes, passos de fé
Levaram corridas de encontros atrasados, e chutos de bola... jogos e danças
Levaram o sonho de passos por dar.... e passos de dança por inventar
Os braços que se estenderam...já não são os mesmos...
Levam consigo a forma de nós, e o cheiro das mãos suadas do tempo
Levam  a temperatura da dor do momento...e o segredo amigo que guardou para sempre
Os olhos que olharam na sua chegada...já não são os mesmos na hora de ir
Vieram vazios tão cheios de nada...e partem tão cheios de água salgada
Levam palavras sinceras de nós...momentos vividos de emoções
Levam verdades escondidas na voz...e vidas tão cheias tão cheias de nós
A boca que veio, sorrindo a medo.....não é a mesma que parte com amargura na voz
Leva consigo palavras tão cheias...sorrisos abertos gargalhadas de vida
Leva poesia nos lábios famintos...de beijos de amor, amizade e  de dor
O coração que veio tão pequenino...não é o mesmo que parte tão dilatado
Leva consigo pedaços de nós, tantos amigos tanto, amor doado
Leva outro tempo e outras histórias, leva derrotas e leva vitórias
Um café ....saboreado na esquina da vida....tantas portas abertas e nenhuma saída
Um amigo que chega...não é o mesmo que parte
A partida é um misto de emoções...queremos que vá e queremos que fique
Assim somos nós e as contradições
Felizes por vermos um amigo partir...em busca de um sonho que o faz sorrir
E o sonho do amigo é nosso também...e só queremos senti-lo  bem
Que prossiga em paz o seu caminho, na certeza porém... não caminha sozinho
O coração de amigo, é igual ao  de mãe....onde estivermos ele está também


R.M.Cruz

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Força amigo!!!

Quando de dia o sol brilha, e á noite a lua reflecte a sua luz
Parece que tudo está numa verdadeira sintonia
E quando as estrelas, povoam o céu numa procissão de pirilampos
E as rãs misturam com os grilos os seus cânticos nas noites de verão
Quando o mar está sereno, e no horizonte se avista a felicidade
Parece que estamos no paraíso
E quando abraçamos um amigo, e a poesia sai da nossa boca sem que a possamos calar
E os beijos dados ao luar, embrulhados em pedaços de vida
E histórias contadas, nos palcos, de verdadeiro teatro, fingindo ser a brincar
E de fadas azuis, de olhos da cor do mar, que fazem as crianças sorrir
Quando fechamos os olhos e ouvimos o cantar dos pássaros
E o silencio dos Deuses...
Eis que algo se veste de uma inveja incalculável
Se mune das armas mais mortíferas, e percebemos que algo não está bem
As nuvens tapam o sol, a lua empalideceu
O sol deu lugar ás sombras
Os grilos e as rãs, esqueceram-se da melodia
E as noites de verão mergulharam num silencio profundo
Os pirilampos  perderam a luz, e as estrelas afundaram-se no mar
O alerta é dado....soam trombetas, ressaltam tambores
E o grito de guerra é accionado
E os amigos erguem a voz em uníssono
Força amigo!!!!
Não te rendas.....bate com o punho na mesa
És tu que mandas
És tu que decides
Vive!!!
Os poetas não podem morrer!

Dedicado ao grande poeta, encenador e actor Fernando Guerreiro

R.M.Cruz





domingo, 21 de julho de 2013

Dentro do teu coração

Filha minha, o tempo pára quando penso em ti
Tu e eu temos uma história
De amor e de dor
Talvez porque não haja amor sem dor
A hora em que tivemos que optar entre a tua vida e a minha
E eu optei pela tua!
Mas quis Deus que vivêssemos as duas...ele sabe o que faz
Não seria justo....dar-te a vida, e tirar-te a mãe
Porque uma vida sem mãe,é como um rio sem água
E uma mãe no céu, mora longe, eu sei que os seus braços se estendem até á terra
Mas tu nunca irias entender....
Quis Deus que a nossa história tivesse dois caminhos, duas vidas e uma alma
És carne minha, sangue meu, tudo o que forma o teu corpo, foi criado dentro de mim
Ao nasceres levaste contigo parte de mim
Quando tu estás triste, eu também estou, porque somos feitas da mesma energia
Se estás feliz, logo a minha alma se alegra
Não importa o tempo filha
Nem o lugar
Ai de quem tocar num fio do teu cabelo para te prejudicar
Virarei a fera mais feroz e lutarei até á morte para te defender
Tu sabes, filha tu sabes....
Quem te fizer feliz, a mim o faz
Sorrirei a quem te der um sorriso
Darei o meu colo a quem se tornar teu irmão e tua irmã
Serei amiga das tuas amigas
Amarei a quem te amar
Tu és e serás sempre parte de mim, a minha força,  meu aperfeiçoamento
A continuidade de mim...
E quando um dia os teus olhos não me virem....não chores...fecha os teus olhos, escuta o silêncio
E ouvirás a minha voz, sentirás o meu amor
A minha luz iluminará a tua vida, nunca te sentirás só
Porque o meu amor será tanto, que a tua vida nunca será vazia.
Vive filha, não te incomodes com vozes alheias (essas falam porque não tem a tua coragem)
Não tenhas medo do amor, enfrenta-o, venha de onde vier
Porque amar simplesmente é divino
Eu estarei sempre aqui....dentro do teu coração!



Dedicado com todo o amor de Mãe e Amiga á minha filha.

R.M.Cruz